sábado, 27 de fevereiro de 2016

Escribã


Só a escrita me liberta
do vazio e da dor da incompreensão. 

A escrita me liberta de uma passagem fugaz por esse mundo,
com ela, e muitas vezes, só com ela, posso me fazer entender.
Mais que isso, ela consegue mostrar ao mundo o quão atraente
o meu silencio é.

Só ela é capaz de amenizar o abismo que a falha da minha voz propõe.

Milhares de ondas sonoras me recusei a emanar calando gritos,
mas a velocidade do som que me desculpe, a força da minha voz protestante 
encontra mesmo aconchego, é sendo transcrita nos livros dessa estante.